Nossos hospitais foram certificados com o selo de Excelência em boas práticas no enfrentamento da Covid-19

O Vera Cruz Hospital e o Vera Cruz Casa de Saúde receberam esse mês a Certificação com Excelência em Boas Práticas Preventivas para o Enfrentamento do Coronavírus, em reconhecimento por suas condutas no enfrentamento do novo coronavírus, atestando, assim, que a instituição possui ambiente seguro e segue padrões nacionais e internacionais estabelecidos em manuais da certificação. De acordo com a gerente de Qualidade e Segurança do Paciente, Claudia Maria Figueiredo Matias, o Selo em nível de excelência constata e valida a adoção de boas práticas, fluxos e protocolos específicos para oferecer ambiente seguro a todos os pacientes, acompanhantes e pessoas que passam em nossos hospitais, assim como também aos nossos profissionais e prestadores de serviços. Para conceder o selo Covid Free Excelente, o Instituto Brasileiro de Excelência em Saúde (IBES) realizou um minucioso processo de análise dos hospitais Vera Cruz e Vera Cruz Casa de Saúde, que compreendeu duas etapas: diagnóstico e certificação. Foram avaliados 115 itens, em diversos setores, todos em conformidade com o que preconiza o Manual de Boas Práticas Preventivas para o Enfrentamento do Coronavírus, desenvolvido pelo Comitê Científico do IBES, composto por profissionais especializados no sistema de saúde, baseado em referências científicas mundiais adaptadas à realidade brasileira, explica a enfermeira de Qualidade de Segurança do Paciente, Beatriz Kaori Fujimoto. Entre muitos itens, foram avaliados distanciamento físico, higiene e limpeza, equipamentos de proteção, monitoramento de saúde, deveres e direitos dos colaboradores, treinamentos, comunicação e planos de emergência. A certificação é mais uma forma de levar confiança a todos aqueles que terão contato com o ambiente hospitalar, fazendo com que se sintam acolhidos e protegidos nas dependências das nossas unidades. Nós, do Vera Cruz Casa de Saúde, vivenciamos, diariamente, a batalha contra a Covid-19, por isso, esse certificado veio para validar o nosso trabalho, empenho e dedicação. Todas as nossas ações de melhorias foram planejadas para oferecer o melhor atendimento aos pacientes e seus familiares e aos nossos profissionais. Estamos muito contentes, já que essa também é a primeira certificação da instituição desde que o Vera Cruz assumiu a unidade, comemora Ludmila Ester Miranda Soares, enfermeira de Qualidade e Segurança do Paciente.

Conheça as Diferenças entre Resfriado e Gripe

No inverno, o frio e a oscilação de temperatura em diferentes períodos do dia, aliado ao fato de que a umidade do ar fica baixa devido à falta de chuva, algumas doenças são mais propensas a aparecer, como é o caso do resfriado e da gripe. Porém, há diferenças entre elas. A infectologista Dra. Vera Marcia de Souza Lima Rufeisen, coordenadora médica do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do Hospital Vera Cruz, explica que ambas são infecções respiratórias transmitidas através de contato interpessoal, contato com gotículas provenientes de tosse e espirro ou através das mãos que levam os vírus até a boca e o nariz. “Embora elas comecem da mesma forma, com coriza, espirros e tosse, a gripe habitualmente apresenta sintomas mais intensos, como febre e prostração”, esclarece. Saiba mais sobre as características das duas doenças e previna-se!   Resfriado: - São causados por outros vírus como Adenovírus, Rhinovírus e Parainfluenzae, entre outros; - São mais leves e raramente provocam febre ou complicações; - Não têm tratamento específico. É recomendada apenas a hidratação, repouso e o uso de medicação para tratar os sintomas, como por exemplo, analgésicos e antitérmicos; - Não há vacina para resfriado comum.   Gripe: - São causadas pelo vírus Influenzae; - Podem ser mais graves, provocar febre, dores musculares, queda do estado geral e causar infecção respiratória grave, assim como complicações bacterianas secundárias; - Em casos graves (Síndrome Respiratória Aguda Grave), os vírus podem ser detectados em secreção respiratória através de métodos específicos e são prescritos medicamentos antivirais. - Representam um risco para saúde, principalmente em grupos específicos (crianças, gestantes, indígenas, pessoas com problemas de imunidade e com outras doenças do coração, pulmões, diabetes, além dos obesos. Estas pessoas têm maior chance de apresentar uma complicação clínica, com quadro pulmonar grave ou pneumonias bacterianas secundarias ao processo); - Podem ser prevenidas através de vacinação.   Medidas preventivas para as duas doenças: - Mantenha a higiene constante das mãos; - Evite lugares fechados, sem ventilação; - Orientação quanto à toilette da tosse: cobrir a boca durante o processo de tossir e espirrar; - Vacine-se contra gripe.

Problemas na Tireoide

 A tireoide é uma glândula localizada no pescoço, que produz hormônios importantes para o funcionamento harmônico do organismo. Porém, diversos distúrbios podem afetá-la. As mulheres são mais propensas a desenvolver esses problemas, como os nódulos, devido ao estrogênio, um hormônio feminino que estimula a proliferação de células da tireoide. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), estima-se que 60% da população brasileira tenha nódulos da tireoide em algum momento da vida. O cirurgião de cabeça e pescoço Dr. José Higino Steck, do Hospital Vera Cruz, esclarece informações sobre o tema de nossa terceira reportagem especial relacionada à saúde da mulher. Veja as orientações do especialista:   O que é? A tireoide é uma glândula em formato de borboleta localizada no pescoço e que tem a função de regular o metabolismo atuando sobre órgãos como o coração, o fígado e os rins. Produtora dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), essa glândula também interfere no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, no humor e no peso corporal. “Mas nem sempre ela é a culpada pelo ganho de peso”, ressalta Dr. Higino.   Problemas na Tireioide Quando a glândula não funciona corretamente, algum distúrbio deve se manifestar. Se libera hormônios em quantidade insuficiente, ocorre o hipotireoidismo, um problema que acomete 10% da população. Já quando há hormônios em excesso, ocorre o hipertiroidismo. Também são comuns os nódulos da tireoide, que nem sempre apresentam sintomas. “Na maioria das vezes, eles são benignos e nem todos precisam ser retirados. Apenas aqueles que causam incômodo respiratório, de deglutição ou estético têm indicação de retirada. Os demais requerem apenas acompanhamento”, explica. Já os nódulos cancerosos, que representam cerca de 5% dos casos, precisam ser retirados. Há ainda o bócio, caracterizado pelo aumento de volume na tireoide, que muitas vezes está associado ao hipotireoidismo ou ao hipertireoidismo.   Fatores de Risco A idade é um dos fatores de risco. Os nódulos, por exemplo, são mais comuns com o passar dos anos. “Após os 60 anos, aproximadamente 50% das mulheres têm o problema”, revela o especialista. A escassez de iodo também leva a disfunções na glândula, porém, como o sal de cozinha é suplementado com esse mineral no Brasil, essa carência não é usual. Há ainda a questão genética.   Prevenção Manter uma alimentação saudável, priorizando alimentos naturais e consumindo sal equilibradamente é uma das formas de evitar problemas na tireoide. Não tomar medicamentos para emagrecer sem acompanhamento médico e não se expor à radiação sem necessidade é importante. “É preciso ressaltar que pessoas saudáveis também podem ter nódulos na tireoide”, diz Dr. Higino.   Sintomas Fadiga e cansaço constantes, ganho de peso, alterações na pele, no cabelo e nas unhas e o aparecimento de gânglios no pescoço podem ser sinais de que algo não vai bem com a tireoide.   Diagnóstico Os exames de sangue de dosagem de TSH e de T4 Livre servem para verificar a produção de hormônios na glândula e podem ser solicitados pelo ginecologista ou clínico geral nas consultas anuais. O autoexame no pescoço também é importante para detectar alterações. Se há suspeita de nódulos, o médico pode pedir uma ultrassonografia da tireoide e, caso seja confirmada, uma biopsia por punção é necessária para verificar sua natureza. Quando há histórico familiar para câncer de tireoide, é recomendado consultar um médico endocrinologista.   Tratamento Para casos de hipo e hipertiroidismo, o tratamento é apenas medicamentoso. Quanto aos nódulos, quando forem benignos e não causarem incômodos, basta o acompanhamento médico, mas se eles crescerem ou causarem sintomas, o tratamento pode ser realizado  com a ajuda de um procedimento inovador já disponível no Hospital Vera Cruz chamado ablação por radiofrequência, uma técnica minimamente invasiva que, através de uma agulha conectada a um gerador que emite radiofrequência, leva à redução de até 90% do tamanho do nódulo. “É uma alternativa de tratamento que não requer corte nem deixa cicatriz, podendo beneficiar pessoas de todas as idades”, explica Dr. Higino. Em casos de câncer, a tireoide tem que ser retirada por cirurgia e a paciente passa por iodoterapia e necessita de reposição hormonal até o fim da vida.

A Depressão tem Prevenção e Tratamento

A batalha contra a tristeza  A depressão é uma doença cuja importância pode ser avaliada pelos inúmeros estudos científicos realizados em vários países. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, a depressão atinge atualmente 4,4% da população mundial, sendo aproximadamente 5,8% de brasileiros (ou seja, 11,5 milhões de pessoas). A depressão pode, a partir de momentos de crise, tornar-se patológica ou acontecer em reação às situações de intenso sofrimento emocional. A instalação de uma forma ou outra é o que representará o sucesso ou o fracasso na elaboração de perdas significativas. O serviço de Psicologia do Hospital Vera Cruz tem como foco principal o atendimento psicológico direcionado aos pacientes e seus familiares, e é realizado de forma multidisciplinar – equipes médica, enfermagem, nutrição, serviço social, e fisioterapia motora e respiratória. Neste serviço há uma atenção especial à depressão, pois é evidente que seus sintomas podem ser agravados em uma internação hospitalar, ou ainda, podem ser iniciados dependendo da doença orgânica e do seu tratamento. Tanto o paciente pode desenvolver a doença, quanto seus familiares, principalmente em familiares de bebês, crianças, adultos com doenças crônicas ou em cuidados paliativos e nos casos de tratamentos mais invasivos. Dentre os sintomas mais comuns estão a tristeza, perda de interesse, ausência de prazer, oscilações entre sentimentos de culpa e baixa autoestima, distúrbios do sono ou do apetite, bem como a sensação de cansaço e falta de concentração. Pode-se imaginar o que é sentir estes sintomas tão aflitivos junto a um diagnóstico de doença grave, do próprio paciente ou do ente querido. O atendimento psicológico prioriza o cuidado ético, acolhedor e afetivo. Visa o fortalecimento de recursos psíquicos com o objetivo de amparar o sofrimento, bem como os sentimentos de solidão, desamparo e angústia. Talvez seja possível pensar o cuidado oferecido pelo psicólogo como uma forte parceria, onde junto ao paciente trava-se uma intensa batalha, afim de tornar viável o enfrentamento e a elaboração deste estado, e a conquista do sentimento de esperança. A depressão tem prevenção e tratamento. Equipe de Psicologia – Hospital Vera Cruz Gabriel Banzato Gisele A. do P. Bazi Marina C. Verri  

1 2
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade