09/11/2020

Febre maculosa, entenda a doença e previna-se.

O QUE É FEBRE MACULOSA?

A febre maculosa brasileira (FMB) é uma doença infecciosa, febril aguda, de gravidade variável, cuja apresentação clínica pode variar desde as formas leves e atípicas até formas graves, com elevada taxa de letalidade. Ou seja, é uma enfermidade que pode causar a morte do paciente.

COMO SE DÁ O CONTÁGIO:

A doença não é transmitida de pessoa para pessoa. A febre maculosa brasileira é adquirida pela picada do carrapato infectado com Rickettsia e a transmissão, geralmente, ocorre quando esse carrapato permanece ou esteve aderido ao hospedeiro por um período de 4 a 6 horas.

O hospedeiro mais comum desse carrapato é a capivara. Por isso é importante evitar o contato direto com esses animais.

Por outro lado, não é só a capivara que abriga o carrapato. Animais de grande porte, como cavalos, também podem representar riscos.

Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, em geral de 18 a 36 meses. Essa infecção pode ser disseminada dos carrapatos infectados para os não infectados.

O diagnóstico e início imediato do tratamento são essenciais para evitar as formas mais graves da doença e até mesmo a morte.

A INCUBAÇÃO DA FEBRE MACULOSA:

Após a picada do carrapato, os sintomas começam a aparecer entre 2 e 14 dias (média de 7 dias).

OS SINTOMAS DA FEBRE MACULOSA: 

A febre maculosa se manifesta em uma fase inicial com:

• Febre elevada e de início súbito;

• Dor de cabeça intensa;

• Dor muscular generalizada;

• Dor nas articulações;

• Náuseas, vômito e diarreia;

• Cansaço e fraqueza;

• Manchas vermelhas pelo corpo: começam(ou aparecem) entre o terceiro e o quinto dia após o início da febre, acometem inicialmente braços e pernas (punhos e tornozelos) e evoluem para abdome, tórax e face.

IMPORTANTE:

A ausência de manchas vermelhas não exclui a possibilidade de diagnóstico de febre maculosa em pacientes com início súbito de febre alta e com histórico de picada de carrapato ou que tenham frequentado áreas com risco de exposição ao carrapato nos últimos 14 dias (ex.: chácaras, lagos, rios, parques com animais como a capivara, cavalo, etc.).

Com a progressão da doença, os sintomas se agravam, podendo causar manifestações respiratórias (tosse, falta de ar e hemorragia pulmonar), manifestações hemorrágicas (urina com sangue, sangramento nasal, vômito com sangue, etc.), insuficiência renal aguda, icterícia, convulsões, confusão mental e coma.

A GRAVIDADE DA FEBRE MACULOSA (LETALIDADE, SEQUELAS E CHANCES DE CURA):

A letalidade da doença, quando não tratada, pode chegar a 80%.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DA FEBRE MACULOSA:

Os sintomas da fase inicial podem ser confundidos com os de diversas doenças, como dengue, leptospirose, Zika Vírus, Chikungunya, enteroviroses, parvovírus, salmonelose, viroses respiratórias, micoplasma, clamídia, sífilis e outras.

Por esse motivo, é de total importância que o paciente informe ao médico se reside ou frequentou áreas de transmissão identificadas pela vigilância sanitária, áreas urbanas, periurbanas ou rurais com presença de:

• Vegetação (pastos ou matas);

• Rios, lagos, lagoas e pesqueiros;

• Hospedeiros do carrapato: capivaras ou cavalos.

E, principalmente, se o paciente tiver noção de que foi picado por um carrapato e apresentar alguns dos sintomas já citados.

O início do tratamento não depende da coleta e/ou dos resultados de exames diagnósticos da doença. Entretanto o principal exame para a identificação da enfermidade é a coleta de sangue (sorologia para febre maculosa).

Então, a atitude mais prudente diante de qualquer evidência ou suspeita é procurar um médico ou atendimento junto aos postos de saúde pública.

A PREVENÇÃO DA FEBRE MACULOSA:

Evitar frequentar áreas onde se encontra uma concentração dos animais já descritos e ficar atento às ações da vigilância epidemiológica e ambiental de controle de vetores e áreas contaminadas.

Atenção aos fatores ambientais de risco:

• De abril a outubro são os meses nos quais o carrapato está presente em maior proporção nos ambientes mais propícios à contaminação;

• Alterações no ambiente silvestre, principalmente pela invasão da população e destruição da mata ciliar;

• Influência climática, determinando a dinâmica das populações de carrapatos;

• Presença de famílias de capivaras em áreas periurbanas e parques urbanos.

O TRATAMENTO DA FEBRE MACULOSA:

Diante de um caso suspeito de febre maculosa, o tratamento deve ser iniciado imediatamente. Em casos graves o paciente deve ser internado para tratamento.

Nas formas leves da doença, o paciente (adulto e criança) pode fazer o tratamento em casa, mediante prescrição médica da medicação receitada. Nesses casos, a vigilância epidemiológica da cidade será acionada para acompanhar os tratamentos domiciliares.

Como se trata de uma doença que, se não tratada adequada e rapidamente, pode levar à morte, frente à identificação de caso suspeito, o início do tratamento não pode ser adiado em hipótese alguma.

Quanto antes iniciar, melhor será a recuperação do doente.

A ORIENTAÇÃO DO HOSPITAL VERA CRUZ SOBRE A FEBRE MACULOSA:

Ao apresentar algum dos sintomas descritos e tiver frequentado as áreas de risco ou sido exposto à picada de carrapato, é de máxima importância comunicar esses fatos ao médico. É com base nessas informações que será levantada a suspeita de febre maculosa e não outras enfermidades com sintomas semelhantes

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.